22 março 2006

Mais Tarde

Mais tarde o azedo do limão fará a limonada
e a picada da abelha se perderá na doçura do mel.
Mais tarde a rocha mais dura se reconhecerá na areia e a água, tão branda,
se juntará à geleira que faz um continente.
Mais tarde o calor do sol se abrigará na noite estrelada
e a montanha mais alta será pó.
Mais tarde os filhos herdarão os pais,
e sua velhice será assim como uma infância ao contrário que escolherão ou não cultivar.
Mais tarde as sementes serão flores num jardim
e a esperança será um fruto igualitário.
Mais tarde a guerra será só vergonha, talvez.
Só o amor fará tudo ser outra vez.
Só o amor fará tudo cedo outra vez.

Poesia e Ilustração: Silvio Vinhal

5 comentários:

Wolney Fernandes disse...

Estou deixando uma pegada pra sinalizar que estive aqui!

Abraço apertado!

Wolney Fernandes disse...

Pegadas fresquinhas foram deixadas por Wolney Fernandes que quer saber quando é que vai poder se deliciar com novos poemas e imagens.

Sêmen de Gargalo disse...

Que um dia o mundo seja só de amor.
Aloha! Namastê! Sawabona!

Bethel disse...

por essas e outras que volto a afirmar: Eu amo você!!!!

Anônimo disse...

Silvio, querido...
Acredito nos sentimentos puros e raros que me dizem que "mais tarde, a água, tão branda, se juntará à geleira que faz um continente" e que "gritos" nem sempre são de "lamúria" mas valiosos para "demarcar território"...
Que Deus a abençoe por tão felizes palavras!!!!
Beijos
Erika