22 junho 2011

Meio frio, meio quente

Costumam dizer que a internet é um meio frio. Não concordo. Em meus pouco mais de 11 anos de internet, posso dizer que ela não tem nada de “frio”. Graças à rede pude fazer novos amigos em lugares distantes, alguns onde eu jamais havia ido, e outros onde até hoje ainda não pude ir. Porém, em muitos momentos, esses amigos me ajudaram a segurar grandes barras. Torceram por mim em momentos difíceis e comemoraram comigo muitas conquistas. Também pude reviver amizades que haviam se perdido no tempo, mas cuja brasa ainda estava muito acesa, muito viva.

Graças à internet pude manter contato com meus ex-alunos, mesmo após ter me mudado de Uberlândia, onde lecionei. Acompanhei o crescimento deles, sua formatura, e hoje acompanho sua vida profissional. Cheguei a me tornar uma espécie de confidente ou conselheiro de alguns. Cada vez que vejo uma foto dessa galerinha no Orkut, no facebook, ou em outro lugar da rede, me emociono. Torço demais pela felicidade e pela realização de cada um deles! Tornaram-se amigos, e o fato de termos compartilhado um momento de troca de conhecimentos me fez muito bem. Ensinei um pouco do que eu sabia, e aprendi muito com cada um deles, daquilo que se pode aprender com o desabrochar das pessoas.

É um privilégio ver um jovem desabrochar. Bonito demais! E nesse quesito, todos os meus alunos sempre foram maravilhosamente lindos e especiais.

Com a internet, aos poucos, o Brasil se tornou para mim um lugar muito diferente. Hoje posso dizer que tenho amigos em lugares tão diversos, que o mapa do meu país se transformou num lugar pulsante, cheio de significados. Algumas cidades que eu nem sabia existir, se tornaram uma referência no meu imaginário emocional. Ter um amigo, em qualquer lugar, significa que um dia você talvez vá lá para conhecê-lo pessoalmente ou, no mínimo, vai querer saber um pouco mais sobre o lugar, porque existe alguém especial para você que reside ali. As barreiras da nação ou da língua sequer foram limitadoras, pois a internet possibilitou manter contato, também, com parentes e amigos que se mudaram para outros países.

Enfim, considero a internet um meio quente, necessário, ferramenta essencial desse mundo cada dia menor. Considero vital estar conectado, e não abro mão de curtir e compartilhar, mesmo de longe, um pouco da história, das emoções e experiências de todas as pessoas que passaram (e ficaram) em minha vida.

7 comentários:

Dois Ursos disse...

Muito legal. Apareçam.

Dois Ursos disse...

e essa historia de meio frio e quente é MacLuhan na veia né? Se ele estivesse vivo hoje, estaria doidinho. E quem sabe nos alertando do que vem pela frente. rsrsrsrs Na verdade acho que se ele estivesse vivo, ja teria criado uma seita com milhoes de seguidores no tuinter.
Vida de Dois Ursos

Osmar Rezende disse...

Tocante. O virtual também emociona, e muito!
Meu último grande amor conheci na net, e ficamos seis anos juntos, num relacionamento nada virtual (rss).

Dani disse...

Para pessoas quentes, emotivas e sinceras, jamais haverá meio frio. Aliás nada é meio.rs

Elenise disse...

Concordo plenamente. Também revejo sempre meus ex-alunos, que se tornaram amigos. O melhor é reencontrar amigos de infância. Bom demais!!!

Erika disse...

Também penso assim! É pela internet que consigo ver sempre você e outros bons amigos que estão longe, podendo tagarelar à vontade!!

Gra Porto disse...

Vc é sim um confidente, um conselheiro, um gde amigo!
Bjos da sua ex aluna!